sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

É sempre assim!

O ano era 1985 e eu, completamente eufórico, corria até a banca de revistas que havia próxima a minha casa. Chegando lá vasculhei rapidamente a seção de histórias em quadrinhos (ou melhor: seção de gibis) para encontrar a edição que chegava as bancas naquele mês. Fazia praticamente dois anos que tinha lido a minha primeira revista em quadrinhos e depois disso nunca mais tinha parado. A revista era a “Superaventuras Marvel” # 40.

Eu leio histórias em quadrinhos desde 1983 e nestes últimos 29 anos não teve uma única semana que eu fiquei sem ler alguma HQ. Portanto, caras como Alan Moore, Neil Gaiman e Frank Miller (que TODO MUNDO CONHECE) não fazem de alguns leitores de quadrinhos uma sumidade e nem um intelectual somente por conhecer a obra destes autores. Certamente que estes autores estão entre os melhores roteiristas de quadrinhos nos últimos 20 anos. Contudo, o universo das letras, do conhecimento, da vida intelectual vai para muito além disso.

E o que me surpreende é ver (não somente no universo dos quadrinhos) que algumas pessoas que tem um conhecimento visivelmente raso e muitas vezes não chegam nem ao nível que consideramos mediano se encherem de um orgulho e prepotência que consegue esconder, deles próprios, a sua ignorância.

Daniel Cunha