sábado, 30 de janeiro de 2010

Fechados para balanço



Terça-feira dia 02 de fevereiro de 2010 retornaremos as nossas atividades e horários normais.
Muito obrigado e boa semana a todos.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Opium de Daniel Torres

OPIUM - Daniel Torres (MINI SÉRIE DE LUXO EM TRÊS EDIÇÕES) - Completa - Editora ABRIL 1990 - Formato americano: 17x26 cm.

A Obra
por Marcelo Alencar

Você pode amar os quadrinhos de Daniel Torres. Ou detestá-los. Uma coisa, porém, é certa: não há como ficar impassível diante de qualquer obra desse valenciano, leitor fanático de Hergé e Pierre Jacobs --- autores, respectivamente, de TINTIN e BLAKE & MORTIMER ---, os pais da chamada ligne claire. A tendência gráfica foi recriada nesta mini-série sob a forma de traços precisos, limpos e bem-definidos, onde a estilização dá o tom futurista ( nas cidades verticalizadas ) ou retrô ( nas vestimentas e carenagens dos automóveis flutuantes ), sem ser incoerente em momento algum. OPIUM, o Príncipe do Mal, não se vale de meios termos, como queriam as teorias de Sartre. O vilão é a própria essência da crueldade, traição, cobiça... Enfim, do mal. Ele e seus asseclas descendem diretamente dos maiores bandidos-clichês que os quadrinhos e o cinema já produziram. O visual foi compulsoriamente emprestado do gênio criminoso FU-MANCHU e da irretocável elegância de MANDRAKE, o mágico. OPIUM foge da ironia ao lugar-comum apenas num aspecto --- e aí reside um de seus méritos: o mal pode vencer. Tal qual na crua realidade, é tudo uma questão de competência. Que vença o melhor.

_________________________________

Obras Raras?
Evitamos tecer comentários sobre a raridade ou não deste item a venda. Acreditamos ser uma consideração muito subjetiva neste caso (por vezes a forma de apresentação chega a ser até enganosa, indutora de falsas expectativas). Sendo assim, deixamos a critério de você, caro colecionador a avaliação sobre a possível raridade do produto.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Cliente nosso de cada dia

Eventualmente tenho que sair da livraria para buscar livros nos distribuidores, e em uma destas saídas o nosso estagiário teve que ficar sizinho para atender. Ele estava um pouco preocupado em não encontrar algum título requisitado por algum cliente. Eu disse para ele ficar tranqüilo, pois apesar de sermos um sebo temos todos os nossos livros catalogados no sistema. É só o cliente dizer o nome do autor ou do livro e pronto.
Minutos após a minha saída o primeiro cliente chega e pergunta.

Olha estou procurando um livro. Não sei o nome do autor e, também, não sei o nome do livro. Mas, me lembro um pouco do assunto: “eram uma série de três, o primeiro conta a historia de dois (ou 3) irmãos que ficaram órfãos de pai e junto com sua mãe foram morar na casa da avó e esta não os queria. Parece que a menina era bailarina”.
Você tem este livro?
...

domingo, 24 de janeiro de 2010

Pensamento da Semana

"Livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas.”

Mário Quintana

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Quem é John Galt?

A principal obra de Ayn Rand é, indiscutivelmente, Quem é John Galt? Trata-se de um "romance de tese" que já foi considerado por alguns críticos como o "Guerra e Paz" do capitalismo.




Em 1991, a biblioteca do Congresso americano fez uma pesquisa para saber qual o livro que havia exercido maior influência na vida das pessoas. O primeiro lugar coube à Bíblia. O segundo, a Quem é John Galt?, da escritora Ayn Rand. Desde quando foi lançado nos Estados Unidos, em 1957, este livro vendeu mais de 6 milhões de exemplares.


As obras de ficção e de não-ficção de Ayn Rand já venderam mais de 20 milhões de exemplares. Seu primeiro romance, We the living, (sem tradução para o português), foi publicado em 1936.

Ayn Rand nasceu em São Petersburgo, Rússia, em 2 de fevereiro de 1905. Testemunhou, portanto, já adolescente, a Revolução Russa. Ela sofreu duplamente com esse acontecimento. Primeiro, como toda família de classe média, do ponto de vista material. Segundo, porque desde muito cedo ela revelou grande interesse intelectual e a falta de liberdade que se instalou na Rússia soviética tornou a vida insuportável. Assim, em 1926, Ayn Rand consegue imigrar para os Estados Unidos onde, inicialmente, fixou residência na casa de parentes em Chicago. Após alguns meses mudou-se para Los Angeles onde viveu quase duas décadas produzindo roteiros para filmes e escrevendo os romances Anthem (1938) e The Fountainhead (1943), traduzido para o português sob o título A nascente.

É curioso notar que os dois primeiros romances de Ayn Rand foram levados para as telas. We the living teve uma produção pirata na Itália fascista sem o conhecimento de Ayn Rand. Quando as autoridades italianas compreenderam a mensagem ideológica favorável à liberdade individual, o filme foi proibido na Itália e só depois da guerra se soube da produção. O segundo romance foi produzido em Hollywood e dirigido por King Vidor, tendo Gary Cooper no papel principal. Eles podem ser vistos na biblioteca do IL.

A principal obra de Ayn Rand é, indiscutivelmente, Quem é John Galt? Trata-se de um "romance de tese" que já foi considerado por alguns críticos como o "Guerra e Paz" do capitalismo. A ação do romance transcorre num futuro indefinido nos Estados Unidos, quando as forças políticas "de esquerda" (socialistas ou sociais-democratas) já estão no poder. O país entrou em decadência e a economia caminha para o colapso. Esta obra se revela de enorme atualidade e interesse para o Brasil no início do século XXI. As políticas públicas adotadas na ficção de Ayn Rand são, em grande parte, iguais às em vigor no Brasil de hoje. Os slogans e chavões são os mesmos. Até os principais políticos da ficção têm as mesmas linhas de raciocínio e sofrem os mesmos defeitos de caráter dos políticos brasileiros da atualidade. John Galt é o principal personagem do livro. Ele conduz uma misteriosa greve dos homens "que pensam". Algumas das falas do livro tornaram-se clássicos em defesa do capitalismo, com o "discurso do dinheiro".

Quando nos anos 50 Ayn Rand mudou-se para Nova Iorque, ela acabou congregando em torno de si um grupo de jovens extremamente talentosos que se dedicaram a estudar seu pensamento. Entre eles, destacaram-se Alan Greenspan (ex-presidente do Banco Central norte-americano) e Nathaniel Branden, que se tornou um destacado psicólogo e autor de inúmeras obras sobre auto-estima. Eles chegaram a publicar juntos obras contendo seus ensaios, como Capitalism, the unknown ideal e A virtude do egoísmo – A verdadeira ética do homem: o egoísmo racional. Nesta obra, Ayn Rand trata de importantes questões como a ética em um mundo tomado pela irracionalidade, os direitos do homem e a natureza do governo ‘Um governo é o meio de colocar o uso retaliatório da força física sob controle objetivo – isto é, sob leis objetivamente definidas. ... As funções adequadas de um governo recaem sobre três largas categorias, todas elas envolvendo os problemas da força física e a proteção aos direitos dos homens: a polícia, para proteger os homens dos criminosos – as forças armadas, para proteger os homens dos invasores estrangeiros – os tribunais, para decidir disputas entre homens, de acordo com leis objetivas.’

Também pertenceu ao grupo dos jovens talentosos Leonard Peikoff, que se tornou herdeiro de Ayn Rand e hoje é o responsável pela difusão de suas idéias através do Ayn Rand Institute.

Ayn Rand morreu em Nova Iorque, em 1982. Várias de suas obras ainda são best sellers e todas elas continuam disponíveis, mesmo decorridos mais de 20 anos de sua morte, um feito raro no mercado editorial.

Obras de Ayn Rand em Português

· Quem é John Galt? Rio de Janeiro, Expressão e Cultura, 1987. (v)/(b)
· A virtude do Egoísmo. Porto Alegre, Ortiz, 1991. (b)
· A nascente. (original: The Fountainhead.) Porto Alegre, ed. Ortiz, 1993 – 699 p. (v)/(b)

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

‘Everything Ravaged, Everything Burned’ (booktrailer)


Vikings: antigos e modernos, por Wells Tower, um dos finalistas do Story Prize 2009, jovem escritor que conseguiu uma proeza rara: duas recensões ao seu livro de estreia no The New York Times. E ainda por cima por dois críticos lendários: Edmund White (ler aqui) e Michiko Kakutani (ler aqui).

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

El gobierno de sí y de los otros



A Livraria do Trem está com o último lançamento do filosofo francês Michel Foucault em língua espanhola “El gobierno de sí y de los otros” curso ministrado no Collège de France em 1983.
O número de exemplares disponíveis é bem limitado (15).
Caso não consiga o seu exemplar a tempo entre em contato com os nossos vendedores para ver os prazos de entrega na encomenda.

A editora Fondo de Cultura Económica disponibilizou para download parte do primeiro capítulo do livro (em PDF) com a primeira hora de aula do dia 5 de janeiro de 1983.
Para baixar o arquivo e conferir um pouco do livro é só clicar aqui.


Título: El gobierno de sí y de los otros
Autor: Michel Foucault
Editora: Fondo de Cultura Económica
Local: Buenos Aires, Argentina
Ano: 2009
Páginas: 430
Encadernação: Brochura

Língua: Espanhol
Título Original: Le gouvernement de soi et des autres
Tradutor: Horacio Pons
Revisão: Hernán Martignone
Estante: Filosofia
Prateleira: Filosofia Contemporânea / Francesa
Cadastrado em: 22 de dezembro de 2009
Peso: 750g.
Medidas: 15,4 x 23 cm.
Assuntos Abordados na Obra: El gobierno de si y de los otros, el curso que Michel Foucault dicta en 1983 en el Collège de France, inaugura uma investigación sobre la noción de parrhesía. Al hacerlo, Foucault prosigue su trabajo de relectura de la filosofia antigua. [...]
Primeira edição em Francês 2008
Primeira edição em espanhol 2009

Descrição: Livro Novo (Importado).